Por que amamos tanto os sapatos?

By Tatiana Fogaça

Assim como Carrie Bradshaw, para muitas mulheres o sapato passa a ser um componente tão ou mais importante que a própria roupa. Um belo par de saltos, por exemplo, tem a capacidade psicológica e simbólica do poder, elegância e sensualidade.

Um estudo realizado pela agência Giacometti Comunicação revela que existe um processo emocional comum entre as mulheres e o consumo: primeiro é o hábito aspiracional (quando se deseja comprar), o segundo é chamado de drivers (sensação de prazer durante o ato da compra) e o terceiro é o hábito do próprio uso diário. Todo esse processo constitui a paixão por compras, inclusive a de sapatos.

Para o neurocientista indiano Vilayanur Ramachandran, diretor do Centro do Cérebro e da Cognição da Universidade da Califórnia e autor do livro Fantasmas do Cérebro, a explicação pode estar na proximidade entre os circuitos neurais que são relacionados à nossa imagem corporal.

“Ele (o neurocientista) explica que as áreas do cérebro associadas aos órgãos genitais e aos pés estão muito próximas, sendo facilmente estimuladas entre si” comenta Iracema Teixeira, doutora em psicologia e especialista em educação sexual. A princípio, isso explicaria a relação fetichista entre os pés e a sensualidade.

Certo é que o sentimento de algumas mulheres por sapatos é algo que transcende a lógica. Quem nunca ouviu a velha piada de que em outar encarnação a mulher deveria ser uma centopéia?!?

Parece loucura, mas algumas de nós, mulheres apaixonadas por sapatos, tratamos esse indispensável e amado acessório como melhores amigos, bens preciosos, companheiros de longas jornadas. E, no final das contas, paixão não é algo que se deva entender. E se isso nos faz feliz, que tenhamos nossos dois, cinco, dez pares de sapatos.